quarta-feira, 1 de junho de 2011

Você acredita na justiça praticada no Brasil?


A violência é, sem nenhuma dúvida, um dos principais problemas que afetam a população brasileira. A parte do Estado que deveria proteger o cidadão parece que não está cumprindo o seu papel, na medida em que a impunidade e a falta de segurança cada vez mais fazem vítimas e ajudam a elevar a sensação de medo e de falta de proteção que as pessoas sentem no cotidiano. Você acredita em todo o sistema responsável pela investigação, apuração e condenação dos responsáveis por crimes praticados em nosso país? Você acredita na justiça do Brasil? O que fazer para que a confiança plena na justiça esteja presente na sociedade brasileira?

Em estudo muito recente do IPEA (Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas), foi demonstrado que a sociedade brasileira tem muito pouca confiança na justiça do país e nas instituições e profissionais que compõem todo o sistema da justiça brasileira. Nessa pesquisa, que teve abrangência nacional, as pessoas foram perguntadas o que achavam da atuação de seis áreas responsáveis desde a investigação até a condenação. O questionário continha as seguintes alternativas para cada um dos seis grupos ou instituições envolvidos: muito mal, mal, regular, bem e muito bem.

O entrevistado deveria responder com 0 para muito mal, 1 para mal, 2 para regular, 3 para bem e 4 para muito bem. Portanto, o entrevistado deveria responder com números que variavam de 0 a 4. O resultado foi muito decepcionantes para aqueles que acham que a justiça está a mil maravilhas. Teve-se notas dignas de reprovação. A seguir, os resultados: Polícia Federal (2,2), Promotor (2,2), Juiz (2,14), Defensor Público (2,04), Advogado (1,96) e Polícia Civil (1,81). Tirando uma média dessas notas e transformando-as de 0 a 10 tem-se uma nota média de 4,55 para o sistema de justiça como um todo.

Isso é um reflexo lapidar do extremamente baixo nível de punição dos crimes praticados no país. Segundo pesquisas de instituições sérias, somente 8% dos crimes de homicídios, o tipo de crime mais grave que existe, tem a autoria e a circunstância devidamente apurados. Entretanto, mesmo desses que são apurados, são muito poucos os casos em que o autor ou os autores são efetivamente condenados. Muitos dos inquéritos que são abertos para apuração de crimes estão parados sem quase nenhuma perspectiva que tenham algum progresso na investigação.

Nem mesmo os promotores e a Polícia Federal que constantemente estão na mídia como protagonistas de alguma ação para prender e condenar criminosos passaram pelo crivo da população. Estes como os outros integrantes do sistema também são protagonistas da ineficiência e falhas no atendimento das demandas de punição para os autores de crimes praticados e em muitas ocasiões são responsáveis por práticas de corrupção dos mais diferentes tipos.

Quando o crime é contra alguém famoso, rico, que pode ter grande repercussão na mídia ou que envolvam alguém desse grupo responsável pela justiça, então a investigação e a condenação é praticamente certa. Entretanto, quando a vítima é um pobre desvalido, a falta de punição para quem cometeu o crime é praticamente uma certeza. A justiça tem que ser para todos, os responsáveis pela sua prática em nosso país não devem ser criminosos e aproveitadores. Eles devem respeitar a todos, principalmente às pessoas de bem, mesmo que não possuam bens.

3 comentários:

lisonlisononline disse...

Saudações!
Amigo Francisco Castro:
Ultimamente estou demorando muito a passar por aqui, mas, se deve a minha falta de tempo. Quanto as suas postagens, todas são de alto nível.
Quanto à confiança na justiça brasileira nós temos o dever de tê-la, mas, obrigação não. Talvez até devêssemos ter a obrigação de confiar. Acho que a origem da desconfiança acontece quando os principais dirigentes da nação se arvoram em presentear com MIMOS os terroristas, e toda sorte de sequestradores estrangeiros no País. Relembro como se fosse ontem o Brasil se curvar em bênçãos por dar guarida a um dos maiores assaltantes do mundo. Refiro-me ao assalto do “trem pagador inglês”, depois, tivemos o sequestro do empresário Abílio Diniz, e todos os membros foram contemplados com a brandura de cumprir suas “penas” no país de origem e tantos outros. São essas e moitas outras procedências graciosas de violar nossas leis que possivelmente levam o nossos magistrados a não aplicar os rigores da lei. Eu acho.
Parabéns por mais um magnífico Post!
Abraços,
LISON.

lana disse...

oi francisco,acho que no nosso pais essa pergunta tem várias respostas...
se você perguntar ao rico se ele acredita na justiça do brasil...ele te responerá sim lógico que sim...se perguntar ao pobre a resposta será com certeza não...e por ai vai chegando até o mais ou menos porque se for negro,pobre rico,famoso,politico,parente de politico é bem variavel, eu te confesso só acredito na justiça divina não falha nunca .

RE disse...

Olha só! O que se pode falar desta justiça?

PAI ACUSADO DE PEDOFILIA E SEQUESTRO QUEBRA O SILÊNCIO

APÓS DOIS MESES DE SILÊNCIO, PAI ACUSADO DE PEDOFILIA E SEQUESTRO CONCEDE ENTREVISTA À DESAPARECIDOS DO BRASIL E CONTA COM DETALHES TODA A HISTÓRIA, APRESENTANDO PROVAS DA SUA INOCÊNCIA.

http://rosaouespinho.blogspot.com/2011/06/pai-acusado-de-pedofilia-e-sequestro.html

Grande abraço.